VIAJANDO A GENTE APRENDE…

… a lavar bem menos roupa do que em casa. Ninguém quer perder tempo lavando roupa quando bem poderia estar comendo num café ou passeando devagarzinho num museu de arte. Conseqüência: a gente usa cada vez mais as mesmas roupas. Mesmo aquelas que já foram para a sacola do “aqui não tem condições”.

É… a atendente coreana em Roma ainda quer saber porque essas duas pazzas quiseram tirar fotos na lavanderia!!! Também, 28 dias de viagem depois, finalmente roupas lavadas!!!
… antes, só na pia, como atesta a senhorita que se esforça aqui

… a ter pique. Eu chego em casa e só quero comer e hibernar no meu inverno televisístico. Pois bem, quando viajo tenho pique para tudo – pelo menos nos primeiros dias! É claro que em breve o sedentarismo cobra a sua conta e em algum momento durmo umas 12 horas (mas isso é outro aprendizado).

… a ser menos chato e mesquinho. Ter picuinhas viajando só serve para ter dor de cabeça. Daí que a maior parte do tempo você vai estar um pouco menos limpo, um pouco mais cansado, um pouco menos sozinho, um pouco mais invadido e um pouco menos no horário do que estaria em casa, no seu mundinho perfeito.

ok, nem TODO mundo fica menos chato… alguns continuam usando sacolas de plástico nos sapatos para não sujar o chão do banheiro. Mas esses são casos raros, dignos de nota!

… a ser mais respeitoso com os outros (e taí para mim o melhor aprendizado!) – porque você está sempre em contato com gente diferente, que não te conhece e nem quer conhecer, e que não tem tempo para as suas brabices.

… que o mundo é grande. Grande mesmo, cheio de culturas nada a ver com o que você chama de “normal”. Com gente com MUITO mais conhecimento que você, rodeado no seu mundinho perfeito por amigos que viajaram e leram menos do que você. Com gente com BEM menos dinheiro do que você, de quem se tem muita pena – apenas para descobrir que essas pessoas não querem ter a SUA vida chata de cidade. Com gente que faz os esportes mais radicais, e você se senta no meio se sentindo um bobão por nem conseguir fazer caminhada umas 3 vezes na semana.

Músico no brique do Mauer Park, Berlim. Acha que ELE está se importando com as minhas pequenezas?

… a não reclamar da rotina. Porque quando se volta, tomar banho no próprio chuveiro, com todos os seus creminhos e sabonetes especiais desnecessários, porém extremamente desejados, dormir em lençóis com dono único e ter sempre à mão água potável viraram atividades altamente luxuosas.

Nosso nutritivo jantar no Ostel Hotel em Berlim – donnuts e vinho! (foto by Tatiane Assis)

Quer ganhar um ebook incrível com as ferramentas de desenvolvimento pessoal que usamos nas viagens?

Assine a nossa newsletter e receba por e-mail: o ebook é gratuito e está cheio de fotos inéditas!

Sem spam. Só coisa boa.

Um comentário sobre “VIAJANDO A GENTE APRENDE…

  1. Ó dura vida de lavadeira, ainda mais em lugares minúsculos como todos os hotéis ou hostels que fomos. Ainda bem que estava friozinho e deu pra usar a roupa por 25 dias, nemmmm dava pra notar um suposto “cheirinho”…pelo menos era o que NÓS achávamos. Mas voltar ao Brasil com roupa cheirosa e dar aquele abraço na mamãe foi bem válido…rsrs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *