UM CONSELHO QUE EU QUERIA NÃO TER OUVIDO

Volta e meia eu escuto recomendações dadas por profissionais da saúde a mim ou a outras mães que são baseadas em simplesmente nada: parece que há uma cascata de (des)informação que é passada adiante como uma corrente e por fim toma tom de verdade, mas que não passa de achismos e crendices.

Grávida ouve de tudo. Não coma chocolate, durma com o travesseiro entre as pernas, não tome café, beba malzbier, não coma brócolis, coloque cachaça na água do banho (!). Há um sem número de conselhos que circundam a gravidez e os primeiros meses do bebê.

Apesar de bem intencionados, como a maioria dos inquilinos do demo, boa parte deles é simplesmente folclórico ou ações que funcionaram para apenas uma criança, justamente aquela que é filha do conselheiro. Sem muita base de comparação, a tendência é generalizar – mas esta conclusão é somente provavelmente correta.

Eu já imaginava isso. Até mais, estava preparada. Para o que eu não estava preparada era a avalanche de conselhos folclóricos que viriam de fontes supostamente confiáveis. Médicos. Enfermeiras. Nutricionistas. Psicólogos. Profissionais da saúde em geral.

De todas as bobagens que eu ouvi, e que levaram bastante tempo no meu sistema até que fossem purgadas, a mais atroz e perversa tinha a ver com a amamentação. Veja: nós fizemos curso de gestante, 4 segundas-feiras à noite, como condição para que o Fernando pudesse assistir ao parto. Lá pelas tantas, o conselho:

– Se você oferecer o peito sempre, ele vai aprender a compensar as suas tristezas comendo.

Ou seja: se o seu bebê estiver chorando desconsolado, e você simplesmente não conseguir acalmá-lo com carinho, NÃO ofereça o líquido quente, docinho e cheio de α-lactoalbumina, um redutor de stress, formulado exclusivamente para aquele bebê. NÃO ofereça a ele a oportunidade de contato com o único mundo que ele conheceu por 9 meses. NÃO deixe ele se aquecer junto a você. Ele TEM que aprender SOZINHO a se consolar.

Sim, com 15 dias, o bebê, que nasce com apenas 25% do tamanho do cérebro final, deve supostamente já conhecer um dos mecanismos mais sofisticados da psique humana: o consolo próprio.

Foi então que eu li que os bebês na África não choram (e por que)  e finalmente a minha ficha caiu. Cansada e não consegue dormir? Peito. Fome? Peito. Ansiedade? Peito. Agitação? Peito.

Churrascaria e não consegue dormir? Peito

Depois disso, a Sara pouco chorou. E agora, mais grandinha, já não precisa mais de leite tão freqüentemente.

Mas ela sabe que, se precisar, peito.

Quer ganhar um ebook incrível com as ferramentas de desenvolvimento pessoal que usamos nas viagens?

Assine a nossa newsletter e receba por e-mail: o ebook é gratuito e está cheio de fotos inéditas!

Sem spam. Só coisa boa.

Um comentário sobre “UM CONSELHO QUE EU QUERIA NÃO TER OUVIDO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *