SCHWÄBISCH HALL – UMA CIDADE ESCONDIDA DE CONTOS DE FADAS

Conheço o Jochen desde 2008 – um alemão que iria ficar uns meses no Brasil me mandou uma mensagem pedindo companhia pelo Hospitality Club e eu aceitei. Nosso primeiro encontro foi num show da Tetê Espíndola e do Almir Sater pela Virada Cultural de Jundiaí. Não poderia ser mais representativo do país onde ele passaria os próximos 6 meses.

Ele voltou a trabalho outras tantas vezes ao Brasil e sempre nos encontramos. Depois, eu vim à Alemanha duas vezes, e em uma delas nos encontramos em Heidelberg, num dia tumultuado. Ele é de Schwäbisch Hall, uma cidadezinha no sul da Alemanha. Próxima a Stuttgart. 50km de Rothenburg od der Tauber.

Já ouviu falar?

Pois é. Só entrou no meu mapa porque o conheci. Mesmo assim, quando planejamos o dia que passaríamos juntas, minha irmã e eu nem cogitamos ir a Schwäbisch Hall – escolhemos Heidelberg.

Tolice. Devíamos ter ido. Conhecer onde e como moram os amigos deveria ser condição básica da espécie humana. Apenas por ele estar na minha vida há tanto tempo eu deveria ter ido.

Este ano, contudo, descobri que haviam mais inúmeros motivos para isso. Este ano resolvemos que não poderíamos passar pela Alemanha sem fazer esta tão adiada visita.

 

SCHWÄBISCH HALL TEM UM DOS SKYLINES MAIS ROMÂNTICOS DA ALEMANHA

E olha que a gente foi para cidades bem famosas da Rota Romântica, como Würzburg e Rothenburg od der Tauber.

Mas SHA (fica mais fácil assim, né?) tem a antiga cidade murada diretamente ao lado do rio Kocher, de águas tranquilas e transparentes, com áreas verdes que convidam a um piquenique, parquinho todo especial para a criançada se divertir e aventurar.

Com isso, fica até meio complicado escolher as fotos para colocar aqui no blog – o encontro das casas medievais com o rio e a grama verdinha gera fotos lindas por toda a parte.

Andar por estas ruelas apertadinhas, de mãos dadas e tomando um sorvete – ou um vinho – é se emaranhar no romantismo.

Uma rua para passear de mãos dadas em Schwäbisch Hall
Uma rua para passear de mãos dadas em Schwäbisch Hall

 

SCHWÄBISCH HALL TEM UMA PRAÇA DO MERCADO QUE TE CONTA MUITA HISTÓRIA

Como por exemplo, a história do Firewall.

Firewall, lhe apresento a razão do nome.
Firewall, lhe apresento a razão do nome.

Como as casas medievais eram construídas com vigas de madeira em comum – economia em tempos difíceis, baby – de tempos em tempos se colocava uma parede de pedra dessas entre duas casas. Assim, se uma casa queimasse (porque as paredes são basicamente pura madeira por dentro), apenas PARTE da vila ia junto.

O incêndio de 1728 destruiu grande parte da cidade, o que explica porque o estilo da prefeitura, barroco, é tão diferente dos prédios adjacentes.

Ou então, que aqui era uma cidade Imperial – dessas que não pertenciam, a um duque (como Marburg), príncipe ou bispo (como Würzburg). SHA era ligada em tempos do império diretamente ao Imperador, e com isso tinha uma certeza independência econômica e política.

A Prefeitura barroca de Schwäbisch Hall foi reconstruída em novo estilo após um incêndio.
A Prefeitura barroca de Schwäbisch Hall foi reconstruída em novo estilo após um incêndio.

É por isso que por ali a Prefeitura é tão importante – e não se vê um castelo dominando a região.

 

SCHWÄBISCH HALL TAMBÉM TEM LEMBRANÇAS DA 2ª GUERRA

É muito difícil passar por algum ponto da Alemanha e não se deparar, em algum ponto, com resquícios e memórias da guerra. Como diz o nosso hóspede, aos alemães não se permite esquecer o que aconteceu.

Pois ali, na Noite dos Cristais, a sinagoga também foi destruída e as casas e lojas dos judeus saqueadas. Quando a guerra estava para acabar, um vagão cheio de judeus estava parado ao lado da estação de trem Hessental, nas cercanias da cidade. As pessoas da cidade fora até lá em empurraram o vagão, com medo que o bombardeio alcançasse a cidade.

O monumento ao ar livre em homenagem às vítimas do Holocausto
O monumento ao ar livre em homenagem às vítimas do Holocausto

Hoje, uma estrela de Davi e um vagão na saída da estação de Hessental lembram os horrores da guerra aos passantes e moradores. Lembram também que a liberdade de pensamento é o bem mais valioso da espécie humana – e que qualquer tentativa de “rebanhação”, como as que temos visto ultimamente no nosso tão conservador Brasil, é muito perigosa.

 

SCHWÄBISCH HALL TEM UM MONASTÉRIO SOBRE A COLINA

Ao contrário das cidades não Imperiais, que possuem normalmente um castelo ou palácio sobre a colina dominante da cidade, SHA tem um monastério.

DSC_0249 (2000x1325)
Monastério Clomburg, sobre a colina de Schwäbisch Hall

Um lugar de contemplação, meditação, e de rara beleza. Infelizmente, quando estivemos por ali estava fechado, então não pudemos ver o interior da Igreja – que possui um dos maiores candelabros da Europa.

Mesmo assim, um passeio muito bacana, com vistas daquela Alemanha ideal, com vaquinhas pastando numa grama verdinha e casas de fazenda à sombra de macieiras.

 

SCHWÄBISCH HALL TEM UMA IGREJA ROMÂNICA DE 1156 EM CUJA TORRE MORAVA UMA FAMÍLIA

Isso mesmo – ao lado do sino!

Um despertador-sino em Schwäbisch Hall.
Um despertador-sino em Schwäbisch Hall.

Dá para subir até o penúltimo andar da torre e fantasiar sobre como seria morar ali, ouvindo as badaladas – e sendo responsável por elas – a cada 15 min. Em troca, uma vista fenomenal das redondezas.

Vista do penúltimo andar da torre. Schwäbisch Hall
Vista do penúltimo andar da torre. Schwäbisch Hall

Antes de chegar lá em cima, cuidado para não esquecer de entrar na Capela de Maria Madalena – um cantinho cujo propósito inicial se desconheça. A lenda diz que Maria Madalena, após a morte de Jesus, foi dar na atual França, onde pregou a palavra de Cristo entre os provençais. Por todo o Sul da Europa existem menções a esta lenda.

Esta é a Igreja de São Miguel, e a presença do anjo com a vara da justiça na entrada indica que no passado esta área era usada como corte judicial. Aqui se sentava um juiz e decidia pelas questões trazidas a ele.

A Igreja também tem um interior interessante, com obras dos mestres da região. Digno de nota é o dente de mamute pendurado atrás do altar e o nome do segundo diácono da Paróquia. Parente!

Reencontrando os parentes! Schwäbisch Hall
Reencontrando os parentes! Schwäbisch Hall

 

SCHWÄBISCH HALL TEM QUATRO MUSEUS E UM TEATRO AO AR LIVRE!

Os Würth fizeram fortuna na região e, em apenas 2 gerações, dominaram o mundo dos pregos, parafusos e afins. Brindaram a cidade com dois museus de arte impressionantes, um de arte moderna e outro de arte dos grandes mestres dos séculos XVI e XVII. O terceiro e quarto museus, que não visitamos, são o Hällisch-Fränkisches Museum e a Galerie am Markt.

O museu de arte moderna se chama Kunsthalle Würth e estava exibindo obras de Op-Art, além da exposição permanente de obras da coleção pessoal da família. Na parte térrea, uma coleção de prataria e outros objetos de decoração fazia espelho ao Museu Albert e Victoria em Londres.

O museu dos grandes mestres fica na Johanniterkirche, uma igrejinha adorável que durante a infância do Jochen estava abandonada – ou era usada com outros fins. Lá dentro, obras da região sudoeste e do lago Constance na Alemanha, e da região norte da Suíça.

DSC_0899 (2000x1325)
Johanniterkirche, Schwäbich Hall

Uma pena que o interior não se pode fotografar – melhor para você, que poderá ver ao vivo essas obras originais!

Durante o verão, peças são apresentadas no teatro ao ar livre que fica próximo ao rio. Ele é uma cópia fiel do teatro original shakespeariano que ficam em Londres.

DSC_0284 (2000x1325)
Globe Theater, versão Schwäbich Hall

Nada mal para uma cidade de apenas 40 mil habitantes, hein?

SCHWÄBISCH HALL TEM UMA FEIRINHA AOS SÁBADOS

DSC_1093 (2000x1325)
Ferinha dominando a praça do mercado em Schwäbisch Hall

E lá você pode comprar os pertences para o seu piquenique lá perto do rio. Ou então tomar um café. Ou comer um spring roll direto de uma vietnamita. Ou comprar um vinho e um queijo de ovelha. Ou um pãozinho apenas, com umas frutas.

Um piquenique na beira do rio, olhando as crianças brincarem, pode ser a chave para fechar os dias ensolarados que você passou por Schwäbisch Hall.

Quem sabe?

Talvez, no final, você consiga pronunciar o nome desta cidade e apontá-la no mapa para os seus amigos. Talvez também, não dê vontade de ir embora.

Quer ganhar um ebook incrível com as ferramentas de desenvolvimento pessoal que usamos nas viagens?

Assine a nossa newsletter e receba por e-mail: o ebook é gratuito e está cheio de fotos inéditas!

Sem spam. Só coisa boa.

3 comentários sobre “SCHWÄBISCH HALL – UMA CIDADE ESCONDIDA DE CONTOS DE FADAS

  1. Olá!
    Fiquei muito interessada em conhecer essa cidade na Alemanha, de nome difícil, SCHWÄBISCH, é linda!
    Pode por gentileza me dizer o que é Hospilahy Club?
    Obrigada por compartilhar essa linda viagem!

    1. Oi, Elisabete! Hospitality Club é um site, parecido com o Couchsurfing, onde você pode se cadastrar para oferecer algum tipo de hospitalidade gratuita na sua cidade. Pode ser desde um lugar para alguém dormir ou, como foi no caso do Jochen, companhia para jantar, ou fazer um passeio pela cidade. Na época, ambos tinham o mesmo público, mas faz um tempo que o Couchsurfing ganhou a disputa e tem bem mais acessos e movimentações.
      Vale super a pena para conhecer pessoas do mundo inteiro que estão passando pela sua cidade e, quando você viajar, vale a pena para conhecer a vida das pessoas do local 🙂

  2. Caracas que espetáculo fantástico.Como se faz pra embarca nessa viagem?tenho vontade de conhecer pessoas de Schwabisch.Como é isso?Como se faz pra fazermos um intercambio?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *