CUZCO – CAPITAL DO IMPÉRIO INCA

O problema de viagens que duram mais de 5 dias é que lá pelas tantas viajar não é lá mais algo novo. Veja bem, lá pelo 15º dia de viagem, tudo o que você tem feito nas últimas duas semanas é justamente… viajar. Concorda que deixou de ser um fato novo na sua vida?

Teresa Cristina cansada de guerra - no claustro do Templo de la Merced

Foi com esse espírito cansado de guerra que chegamos a Cuzco – talvez apenas ainda impelidos pelas (caras) passagens já compradas, Machu Picchu e a cerveja Cuzqueña. Tá bom, um pouco animados, mas já bem cansados.

Vôo Lima - Cusco: olha a pontinha da asa aí, gente!

O vôo é surpreendente – mesmo com um pouco de turbulência sobrevoando o Andes e a guinada radical que o capitão faz chegando ao aeroporto (e que fez metade do avião dar um gritinho de susto que nos assegurou que não éramos os únicos no barco do medo) – picos nevados abundam, lagos azul turquesa, rios aprisionados por montanhas…

O que é uma montanha coberta de chantilly cercada de marshmallow por todos os lados?

Cuzco seria base para as nossas peripécias pelo Valle Sagrado caso não (felizmente) houvéssemos por fim decidido seguir caminho para Ollantaytambo. Mas de lá conhecemos Pisac, Andahuaylillas, Huaro, sempre de transporte público – e, é claro, conhecemos Cuzco. Só que, depois de dias e dias viajando, Cuzco foi conhecida espontaneamente – sem obrigações.

Desfile mascarado... inusitado. O Fernando pensou seriamente em se juntar à procissão, tive que segurá-lo! (até parece rsrsrs)
Vista aquática da Catedral!!!
 
Plaza de Armas à noite - a única que eu tenho coragem de mostrar (mamãe, não esquece o meu tripé²)
 
 Isso quer dizer que não pagamos tributo à mulher sexy nem às ruínas de Pisac, apesar de estarem a uma distância segura de nossos pés. Ao invés, bebemos Cuzqueña, observamos a vida citadina, sentamos e conversamos, entramos em algumas igrejas e subimos até San Blás.
Descendo a ladeira de San Blás - e nem precisei pagar por esta pose de modelo!
 
Descendo de San Blás II
 
 
Jardim no Templo do Sol - Coricancha
 (Ah! e a gente até saiu à noite!)
Pariwana, nosso hostel que era uma antiga casa colonial, com praça central

 

Sala do café da manhã/sala de jogos/balada do hostel - só com balada DENTRO do hostel para nos fazer sair de casa!!!!

 Foi de bom tamanho para finalizar uma viagem incrível pelo Peru.

Quer ganhar um ebook incrível com as ferramentas de desenvolvimento pessoal que usamos nas viagens?

Assine a nossa newsletter e receba por e-mail: o ebook é gratuito e está cheio de fotos inéditas!

Sem spam. Só coisa boa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *